(Português) Home office: solução ou problema?

- Press -

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

O uso do home office ganhou projeção nos últimos meses devido a sua utilidade na prevenção ao contágio da Covid-19.

A manutenção permanente deste sistema remoto de trabalho pode, no entanto, se tornar um problema para empresas e funcionários.

A advertência é de Reinaldo Nogueira, professor dos programas de MBA da ESPM e reconhecido especialista em Transformação Humana, Estratégica e Digital.

Segundo ele, o home office compromete a interação social e coloca em jogo a qualidade da comunicação e o decorrente fortalecimento da cultura organizacional.

“Quando a interação social é falha, há uma reação em cadeia que produz efeitos como perda de propósito e alinhamento com a liderança”, observa.

Nogueira acredita que parte da atratividade gerada pelo home office tem a ver com redução de custo. Mas ressalta tratar-se de uma relação equivocada.

“É uma visão de curto prazo que pode afetar valores estruturantes do negócio. Viradas radicais são riscos ao desenvolvimento e à perenidade do negócio”, afirma.

De acordo com o professor, o home office é um caminho para fortalecer sistemas multidisciplinares de trabalho. Acrescenta que os movimentos disruptivos vieram para ficar, mas devem ser interpretados com cuidado.

“A ruptura pode quebrar uma cultura baseada em hábitos e comportamentos. Romper com a cultura obriga qualquer organização a construir um novo percurso, que exigirá mais energia e exposição a riscos. Vai dar errado? Não sabemos. Mas talvez muitas empresas não estejam preparadas”, avalia.

O professor destaca que as pessoas precisam do olho no olho. “As tecnologias estão aqui para nos ajudar, mas para que isso funcione é preciso criar o ambiente ideal. Conheço empresas que estão indo bem porque aprenderam a gerenciar as pontas, isto é, estabelecer um poder descentralizado que dá autonomia de decisão às estruturas regionais, dentro do que chamamos de modelos ágeis de gestão”, explica.

Ressalva, contudo, a necessidade de a adaptação ser precedida da montagem de grupos de trabalho que, de forma presencial, planejam e depois executam por meio de times autogerenciáveis nas pontas. “Mas a dinâmica presencial é indispensável”.

Com passagens por empresas globais que testaram o modelo 100% remoto, Nogueira lembra que muitas experiências foram frustrantes. “Mesmo as organizações com DNA digital perceberam a necessidade de uma interação mais consistente, que assegure a integridade da comunicação como alavanca dos processos”.

E acrescenta: “Empresas que tentaram adotar o padrão 100% remoto passaram por problemas, mas essas mesmas empresas readaptaram seu discurso para um modelo híbrido entre presencial e distância, o que produz bem em favor de todos por meio da interação social, baseada no presencial, e da tecnologia, apoiada no digital”.

Reinaldo Nogueira é mestre em Engenharia com ênfase em Tecnologia da Informação, além de graduado em Administração e pós-graduado nas áreas de Gestão de Projetos e Governança Corporativa. No semento de estratégia digital, atuou em empresas como Oracle Corporation, PePsico Group e Grupo Abril. Atualmente é executivo da Projeto TI 360, empresa com foco em Estratégia Digital, Tecnologia e Projetos Ágeis.

 

Would you like to receive
exclusive news?